Adeus camarada Severino Dantas!


Morre o bravo comunista Severino Dantas, vereador em Cajazeiras por quatro mandatos

O ex-vereador Severino Dantas Fernandes, 79 anos, faleceu na manhã desta sexta-feira (27) no Hospital Regional de Cajazeiras, onde se recuperava de uma cirurgia. Natural de São João do Rio do Peixe, Severino Dantas era servidor público aposentado e exerceu o mandato de vereador em Cajazeiras entre os anos de 1997 e 2012, pelo Partido dos Trabalhadores.

Bravo comunista egresso do Partido Operário Revolucionário Trotskista (PORT), seção brasileira da Quarta Internacional Trotskista Posadista (PORT-P), fundado em 1955, onde o mesmo realizou intenso trabalho para o aliciamento e recrutamento de estudantes, camponeses e outras classes, em Antenor Navarro (atual São João do Rio do Peixe), Campina Grande e João Pessoa, na Paraíba.

No ano de 1956, saiu da Comunidade Bálsamo, no município de Antenor Navarro, com o objetivo de estudar no Seminário dos Franciscanos, localizado em Triunfo (PE). Em seguida, em 1962, mudou-se para João Pessoa, ocasião em que ingressou nos movimentos estudantis e em seguida nas Ligas Camponesas lideradas no Nordeste pelo advogado e ex-deputado federal Francisco Julião Arruda de Paula, sendo seus companheiros todos integrantes do Partido Operário Revolucionário (Trotskista) no ano de 1964.

Com o advento do Golpe Militar, Severino Dantas foi compelido a abandonar as atividades estudantis, bem como, seu emprego no Movimento de Alfabetização Popular – Método Paulo Freire, extinto pelo citado Golpe. Depois do Golpe Militar de 1964, juntamente com outros companheiros, passou a viver na clandestinidade realizando vários eventos como o objetivo de rearticular o movimento popular das Ligas Camponesas e os movimentos estudantis através do famoso “Grupo dos 5” e dando continuidade ao movimento nacionalista encabeçado por Leonel Brizola.

Em 1965 mudou-se para Fortaleza (CE), onde, junto com outros companheiros fundou uma Secção Brasileira da Quarta Internacional, mas permaneceu naquele estado somente até dezembro de 1965, pois o grupo havia sido descoberto pela polícia, que passou a perseguí-Io, e por segurança, partiu para São Paulo para participar de cursos de formação política e tentar uma vaga no mercado de trabalho.

Em janeiro de 1966, Severino Dantas deixou a cidade de São Paulo com destino a Porto Alegre (RS) e de lá para Montevidéu, capital do Uruguai e em seguida, de barco, foi para a Argentina, onde, após viver clandestinamente alguns anos, recebeu do governo argentino autorização de permanência naquele país.

Por conta da perseguição sofrida por ocasião das operações militares, como não o localizava quem sofria as consequências era seu pai, Manoel Guerra Dantas, que por duas vezes fora preso e levado para a Superintendência da Polícia Federal em João Pessoa para que confessasse onde seu filho poderia ser encontrado.

Em 10 de maio de 1980, participou, na condição de ex-exilado político de um ato público contestatório, realizado na Catedral Metropolitana de João Pessoa, como um dos oradores.

Em 1984, era membro do Diretório Regional do PT no Estado da Paraíba. Em 1986, disputou as eleições para o cargo de deputado federal pelo PT.

Eleito no ano 2000, Severino Dantas foi vereador em Cajazeiras por quatro mandatos consecutivos em Cajazeiras, até 2016, pelo Partido dos Trabalhadores.

O velório acontece na Câmara Municipal de Cajazeiras. Deixa viúva, filhos e netos.

Publicado em 27/05/2022:

Recordações dos seus camaradas posadistas

Severino Dantas, conhecido como Tibúrcio pelos seus companheiros posadistas de batalha desde os anos duros das ditaduras no Brasil, no Uruguai e na Argentina, onde viveu e militou, era antes de tudo um internacionalista, um homem de estrema humildade, força interior e resistência, de amor à vida e aos demais que o circundavam.

A plena convicção nas ideias revolucionárias que defendia, nascidas e cultivadas ao longo da sua vida, permitiu-lhe resistir e sobreviver a uma distrofia muscular progressiva que o acompanhou a partir dos 23 anos de idade na sua juventude. Nesta época emigrou e militou na Argentina, viveu em Buenos Aires, Rosário e Córdoba, contribuindo na edição do jornal posadista Voz Proletária.

Companheiros da Argentina, como Eduardo, “el guitarreiro”, que teve a possibilidade de participar com ele em algumas reuniões o recordam. “Era um companheiro de grande qualidade humana. Suas intervenções políticas eram apoiadas por uma abordagem intimamente ligada à realidade. Ele tinha uma sensibilidade muito profunda e natural, nunca se colocou acima de seus pares. Ele exalava uma empatia muito receptiva. Sem nenhum traço de arrogância, na polêmica ele era muito calmo e fundamentava, mesmo com algumas pinceladas esquemáticas, de maneira convincente porque lhe faltava animosidade. Ele tinha um comportamento como definido por J. Posadas de que tinha que…”discutir com paixão para convencer, mas também aberto para ser convencido…” Isso por si só é um orgulho ter compartilhado e aprendido. Relutamos em despedir-nos, porque o sentimos caminhando ao nosso lado. Ele continuará a fazê-lo com seu exemplo, em cada luta, na alegria dos triunfos e na tristeza das derrotas. Mas ele certamente estará no sorriso do povo quando o triunfo de Lula mergulhar o nazi-fascista Bolsonaro na derrota. CAMARADA TIBURCIO ATÉ A VITÓRIA SEMPRE!!!!

Ao retornar ao Brasil, com o advento do golpe militar nos anos 1975, seu médico argentino não lhe dava mais de dois anos de esperança de vida. Tibúrcio com seu profundo amor às ideias, à teoria marxista, apaixonado pelos textos de J. Posadas, particularmente relativos à cultura, à música, à história da arte, passava da leitura de calhamaços de papel a emergir nas músicas de Beethoven.

Tibúrcio, rompeu todas as previsões da medicina oficial, não morreu ao voltar ao Brasil, mas viveu outros 47 anos. Após viver e militar por anos em São Paulo, com companheiros do aparato técnico que rodavam no mimiógrafo o jornal Frente Operária na clandestinidade, emigrou ao Nordeste, terra de humildes e lutadores, para reencontrar sua família em Antenor Navarro, na Paraíba; assim, descobriu Ana, o grande amor da sua vida que o fez renascer, através dos filhos que conceberam, Beethoven e Vladmir, que depois lhe brindaram outros dois netos. Eis um maravilhoso exemplo do milagre do amor às ideias e convicção numa moral e vida revolucionárias.

Pouco antes de morrer, como sempre reiterou seu reconhecimento à companheira de vida, Ana: “sem o seu amor e dedicação, eu já teria morrido há muito tempo!”

Tibúrcio foi um grandioso exemplo revolucionário. Além do amor à teoria, dedicou anos de sua vida, em cadeira de rodas, por 4 mandatos como vereador do PT, às tarefas necessárias para dar, alimento, moradia, educação e dignidade ao seu povo de Cajazeiras. Um exemplo de fraternidade e amor à humanidade que transcendeu os limites de Antenor Navarro. 

Tibúrcio, a sua partida nos deixa muita dor. Mas, também um legado a seguir, com a sua força, dedicação e resistência. Com a certeza de que “a vida, sem a luta pelo socialismo, não tem sentido”, como disse, nosso querido mestre.

Adeus camarada! Venceremos!

27 de maio de 2022

PosadistasHoje

Nota de pesar do presidente Lula da Silva e do PT da Paraíba

https://lula.com.br/nota-de-pesar-pelo-falecimento-de-severino-dantas/amp/

Entrevista na TV Diário do Sertão sobre Severino Dantas

Homenagem a Severino Dantas na Assembleia Legislativa

Pronunciamento na Câmara Federal em homenagema Severino Dantas

https://fb.watch/dml7vCOpE4/